简体中文NederlandsEnglishFrançaisDeutschItaliano日本語PortuguêsEspañol
Home > Destinos Incríveis > Turismo de aventuras radicais no Velho Chico

Turismo de aventuras radicais no Velho Chico

Publicado em: 26/02/2020
Por: Adilson Fonsêca


Um passeio pelo Rio São Francisco leva a cenários surpreendentes para quem gosta de turismo de aventuras radicais. E é a partir do trecho em que o Velho Chico recebe as águas do seu principal afluente em território baiano,o Rio Grande, no município de Barra (670 quilômetros de Salvador) que essa aventura adquire contornos inusitados.

Os Brejos da Barra, uma região formada por pequenas ilhas, terras alagadiças e piscinas naturais entre pedras, que a natureza da caatinga e do cerrado se misturam e criam um ambiente único. São praias cujas escarpas de pura areia desafiam os mais corajosos, formações rochosas que em tempo de seca do rio formam piscinas naturais, e pequenos lugarejos perdidos no mapa, onde só se chega de carro de tração ou trator.

Parte destes Brejos pertencem a Área de Preservação Ambiental-APA Dunas e Veredas do Baixo Médio São Francisco e sao formados por dunas, veredas de buritis e uma grande riqueza ambienta, com relativa abundância de água e diversas espécies da fauna e flora, muitas delas endêmicas. São mais de 50 pequenas comunidades ribeirinhas

Ibiraba – Margeando pelo lado esquerdo do rio São Francisco, o visitante vai se aventurar em dunas de areia fina que parecem mergulhar no leito do rio e viajar por trilhas selvagens e visitar o povoado de Ibiraba, de casario colonial, que já foi cenário de filmes, entre os quais “Abril Despedaçado” que teve Rodrigo Santoro como protagonista e a direção de Walter Salles. Ibiraba possui possui alambiques que produzem uma das melhores cachaças do interior baiano, chamada de “catuzeira”, e também produz a famosa rapadura cerenta.

Onde ficar e comer – Saindo de Salvador pode chegar a Barra e de lá até os Brejos do São Francisco por avião até Barreiras, ou de carro (670 quilômetros pela BR-242). A cidade dispõe de boas hospedagens e restaurantes, além de guias que podem orientar as visitas. Recomenda-se o período de de saca do São Francisco (maio a outuibro).

Compartilhar: