简体中文NederlandsEnglishFrançaisDeutschItaliano日本語PortuguêsEspañol
Home > Destinos Incríveis > Monte Pascoal, o encanto descoberto por Cabral

Monte Pascoal, o encanto descoberto por Cabral

Publicado em: 18/07/2019


Quando em 1500 a esquadra de Pedro Álvares Cabral avistou o Monte Pascoal não imaginaria que 519 anos depois a região, o primeiro pedaço de terra avistado do mar em território brasileiro, continuaria com os mesmos encantos e despertando a atenção de quem visita o local. O Monte Pascoal é uma elevação com 536 metros de altura, localizado próximo ao município de Itamaraju, na Região Sul da Bahia.

Pois quem vem para a partir do Centro Sul do Brasil por estradas (BR-10) a vista ao longe, nas proximidades dos municípios de Itamaraju e Itabela o Monte Pascoal, primeiro ponto avistado do mar pela esquadra de Pedro Álvares Cabral, em 1500. Quatorze quilômetros adentro, em uma estrada à direita da BR-101, chega-se à entrada do Parque Nacional, terra dos índios Pataxós, que mantém quase que intacto, as mesmas características do ecossistema da região.

O Parque Nacional do Monte Pascoal está a 67 km de Porto Seguro. Segundo os registros históricos, o Monte Pascoal teria sido a primeira porção de terra avistada por Pedro Álvares Cabral e sua tripulação no dia 22 de abril de 1500, data do descobrimento do Brasil pelos portugueses. Recebeu este nome justamente porque o desembarque ocorreu na época da Páscoa.

O Parque Nacional Monte Pascoal, é uma área tombada como Patrimônio Histórico Nacional, e abrange regiões alagadiças, restinga, mangue e litoral ao redor do monte rochoso, alto e arredondado, aceito como o primeiro ponto de terra firme avistado pela tripulação de Cabral. O local preserva um dos últimos trechos nativos de Mata Atlântica no Nordeste e abriga várias espécies animais ameaçadas de extinção.

O acesso é feito pela BR 101, no km 796 e mais 14 km de asfalto até a entrada do parque. Existem guias que podem acompanhar os visitantes por trilhas ou para uma escalada ao Monte Pascoal, de 536 m de altitude. A Unidade de Conservação foi criada em 1961 com o objetivo de conservar os ecossistemas que se iniciam na beira da praia até limites geográficos – rios, que circundam o Monte Pascoal, protegendo todo o ambiente natural da região deste marco histórico. O parque, por ter em sua área a presença de indígenas desde antes de seu decreto de criação e, atualmente, é também terra da etnia Pataxó, descendentes dos primeiros povos indígenas no Sul da Bahia.

Mata Atlântica – A área do Parque Nacional de Monte Pascoal tem 22.383 hectares, e apresenta uma diversidade de paisagens e belezas cênicas únicas, abrangendo a praia da Aldeia de Barra Velha com águas cristalinas e a vegetação de restinga conservada, o manguezal, as florestas de restinga e as praias pluviais dos rios Caraíva e Corumbau, os campos de Mussununga, único do extremo sul da Bahia, e uma das maiores biodiversidades do planeta, a Mata Atlântica.

Os diversos atrativos ecoturísticos existentes no parque proporcionam a realização de diversas atividades recreativas como caminhadas em trilhas e praias, banho de mar ou rio, contemplação da natureza, observação de fauna e flora, canoagem, passeio de barco no rio, participação de manifestações culturais indígenas, vivência do modo de vida local, degustação da culinária indígena, compra de artesanato, entre outras. A visitação aos atrativos do parque é permitida apenas com a presença dos condutores indígenas.

Adentrando-se ao Parque, logo diversos atrativos podem ser vistos, como: o Monte Pascoal, as trilhas interpretativas da Jendiba e da Arruda, e as trilhas do Jequitibá e do Lugar Sagrado; ambas em manutenção visando o conforto e segurança do visitante e gerando o mínimo de impacto ambiental possível em virtude da visitação. Um roteiro que liga o Pé do Monte à praia do parque está sendo estruturado e hoje este trajeto apenas pode ser feito pela Terra Indígena Barra Velha.

COMO CHEGAR

Via Rodoviária – A partir de Porto Seguro, pela BA-367, num percurso de 62 quilômetros até Eunápolis. De lá, o visitante deve seguir pela BR–101, sentido Vitória, até o KM 794, onde há uma placa indicando o parque. São mais 14 quilômetros pela BR 498 – estrada asfaltada que termina na entrada do parque.

Ônibus – Há várias linhas que partem de Porto Seguro para Itamaraju. De lá existe uma linha de ônibus, de sexta a segunda-feira, que vai até a portaria do parque.

ONDE FICAR

Itamaraju está a 30 km da entrada principal do parque. Há opções de hotéis e pousadas. O turista que for para a região da praia por Barra Velha ou Caraíva poderá se hospedar em Caraíva.

Fauna – A fauna do parque é bastante diversificada. Entre os mamíferos como o veado-campeiro e a ariranha, ameaçados de extinção, e alguns raros como o ouriço-preto, a preguiça de coleira e o guariba, além da onça pintada, a suçuarana, a capivara, a anta, o tamanduá, a cotia… Entre as inúmeras aves encontram-se espécies ameaçadas de extinção como o urubu-rei, o gavião-de-penacho, o gavião-pega-macaco, o macuco e o mutum, além do curió e o sabiá-da-mata.

Flora – O local abriga um dos últimos remanescentes da Mata Atlântica, tendo como vegetação predominante a Floresta Tropical Pluvial, que apresenta vegetação densa e exuberante. Alguns destaques do local são visgueiro, farinha-seca e anda-açu.

Comunidade – Os índios Tupinambás foram os primeiros habitantes da região e já ocupavam as terras muito antes da colonização portuguesa, mas no século XVI quem passou a ocupar a região foi a comunidade Pataxó, que ali está até hoje.

Visitação – O parque funciona diariamente das 8h às 17h. A visita só é permitida com a presença de guias locais. Os Pataxós, responsáveis pelo receptivo turístico do parque residem na Aldeia do Pé do Monte.

Compartilhar: