简体中文NederlandsEnglishFrançaisDeutschItaliano日本語PortuguêsEspañol
Home > Destinos Incríveis > Um passeio à pé pela Costa do Dendê e suas belas praias

Um passeio à pé pela Costa do Dendê e suas belas praias

Publicado em: 10/07/2020


Se você já foi a Morro de São Paulo, Barra Grande, Taipus de Fora, Boipeba, Moreré (se não foi, nunca é tarde para ir) deve ter se maravilhado com as belezas naturais desse pedaço de terra e mar, que faz parte da Península de Marau, na região entre a Baía de Camamu e cidade de Valença. Esse paraíso único, que atrai gente de todo o mundo e encantou o craque Neymar que ali foi passar as férias de fim de ano, revela agradáveis surpresas em terra. Tanto que Neymar volta neste fim de ano e com um batalhão de amigos.
A parte terrestre da famosa Costa do Dendê no sul da Bahia, reserva um pouco da própria história dos tempos da colonização portuguesa e das lutas travadas ao longo do litoral baiano. Este santuário ecológico, cheio de ilhas, enseadas, e foz de rios, mostra uma variedade de ecossistemas costeiros, piscinas naturais, estuários e o vasto Oceano Atlântico com belíssimas praias, recifes, manguezais, campos naturais e tipos florestais da Mata Atlântica com uma variada fauna e flora. Além do litoral a península também oferece outros tipos de atrações voltadas ao ecoturismo como cachoeiras e trilhas ecológicas. E também muita história.
Na Costa do Dendê são 115 quilômetros de costa, desde a Baía de Camamu (ao sul) até a foz do Rio Jaguaripe (ao norte), que além das praias, abrigam ilhas, rios, cachoeiras, restingas, manguezais, recifes de coral e paisagens históricas. São possíveis o turismo de aventura, de esportes radicais e prática de mergulho, turismo náutico, histórico, ecoturismo e o tradicional de sol e praias.


Você se encanta logo na entrada, com a cidade de Valença, cortada pelo rio Uma, é visitado principalmente por ser o principal acesso à Ilha de Tinharé e Morro de São Paulo. Mas também pela a praia do Guaibim com o seu extenso areal, localizada a cerca de 17 km da sede do município. O município foi criado como distrito de Cairu, com a denominação de Santíssimo Coração de Jesus de Valença, elevando-se à condição de vila em 10 de novembro de 1849, recebendo então a denominação de Valença.
Nesse trajeto que começa logo após o desembarque do ferry boat, que faz a travessia de Salvador para o sol, pela Baía de Todos os Santos, o roteiro segue pela BA-001, que passa por Valença e vai até Camamu e de lá para Itacaré e Ilhéus, já na chamada Costa do Cacau.


Taperoá – É a segunda cidade, a poucos quilômetros de Valença. Ali existe o centro de comercialização de caranguejos, no distrito de Graciosa, que é também ponto de partida para quem quer visita as inúmeras ilhas. Ao longo da estrada várias famílias comercializam, da porta de suas casas, azeite de dendê, óleo de coco e artesanatos feitos de piaçava dos dendezeiros.
Nilo Peçanha – A cidade, que teve origem em 1565 de uma vila chamada Santo Antônio de Boipeba, é a terra dos mascarados que formam um dos grupos folclóricos mais tradicionais da Bahia, a Zambiapunga. Em 1618 foi criada a freguesia de Divino Espírito Santo de Boipeba. Em 1930 passou a se chamar Nilo Peçanha. Nessa cidade, funciona um pequeno estaleiro para a fabricação de canoas, geralmente em vinhático. Vale a pena conhecer os vários prédios tombados pelo Patrimônio Histórico, e o seu distrito, São Benedito, distante da sede 49 quilômetros.
Ituberá – É conhecida como a “capital das águas baixas do Baixo Sul”, por causa da abundância de mananciais de água doce, proporcionando belíssimos espetáculos de rios, cachoeiras e enseadas. Pelo menos quatro locais de grande atração turística devem ser visitados:


Cachoeira de Pancada Grande – Situa-se a aproximadamente 5 km da área central do município de Ituberá-Bahia, na divisa com o município de Igrapiúna. Fica numa Área de Proteção Ambiental – APA, sob administração das Plantações Michelin da Bahia.
A cachoeira possui uma queda d’água de aproximadamente 80 metros, no alto curso do Rio Mariana. Tem uma estrutura adequada para receber visitantes, 2 mirantes convenientemente dispostos para turistas, uma trilha ecológica na parte superior da cachoeira e um centro de visitantes, sobre as fundações de uma antiga usina hidrelétrica que ali funcionava.
Fazendas Reunidas Vale do Juliana -Fazenda modelo, com 3.012 acres de extensão. Um terço do espaço é tomado por mata nativa e o restante da área é destinada ao cultivo do cacau, plantações de seringueiras, de pupunha, frutas (graviola, cupuaçu e jaca) e, ainda, à pecuária. Cercada de colinas e com um grande lago represado das águas do Rio Juliana, a fazenda tem uma paisagem deslumbrante, que se completa com a Cachoeira da Pancada Grande, formada em um dos trechos do Rio Mariana.

Vila de Itajaí – Antiga vila histórica de Ituberá, suas maiores atrações são as matas, o Balneário Itajay e a abundância de águas. Situada a 2 km do centro de Ituberá, a Vila de Itajaí faz parte do perímetro urbano juntamente com os bairros do Poeirão e Bairro da Paz, que se desmembraram da Vila de Itajaí devido ao aumento populacional e construções ao redor da Vila.

Praia de Pratigi – Esse paraíso foi descoberto recentemente e atrai os visitantes por causa de suas águas O mar de águas mornas, costuma ser mais propício para banho durante as marés baixas. Em alguns trechos ao sul, surgem piscinas naturais. As areias brancas são margeadas ao fundo por vasto coqueiral e bananeiras, densa mata e córregos nativos. Local para camping e pesca. Na Praia Também é realizada a cada biênio um grande festa conhecido como “Universo Parallelo” onde recebe diversos turistas de todo o mundo para um Reveillon com uma bela paisagem natural e música.
Camamu – É o principal ponto de partida para quem quer visitar a Península de Maraú, como as localidades de barra Grande e Taipus de Fora. E está a poucos quilômetros de Itacaré. Camamu tem origem numa aldeia dos índios Tupiniquins, que em 1561 foi transformada em freguesia, após o estabelecimento de uma missão de Jesuítas. Chamava-se então Aldeia de Nossa Senhora da Assunção de Macamamu. E 22 de maio de 1693 a aldeia foi elevada a condição de vila com o nome de CXamamu, vindo a ser considerada cidade em 27 de junho de 1891.
Cayru – Não está no trajeto da BA-001m nas fica a poucos quilômetros. É formado por um grande acervo histórico e arquitetônico, tendo se tornado vila em 1608, sendo considerada a mais importante da colônia portuguesa na Bahia. Foi município criado por Carta Régia de 1608, desmembrado de Ilhéus, recebendo a denominação de “Vila de Nossa Senhora do Rosário do Cairu”. Em divisão territorial datada de 1º de julho de 1960, o município é constituído de 4 distritos: Cairu, Galeão, Gamboa (ex-Gamboa do Morro) e Velha Boipeba.
Maraú – A sua dificuldade de acesso é que torna o lugar um paraíso quase que intocável pelo progresso . É conhecida como a “Polinésia Brasileira”, por causa de suas ilhas e praias e da rara transparência de suas águas. Possui belíssimas praias distribuídas entre seus vários povoados, além de dezenas de ilhas, cachoeiras e manguezais e de quilômetros de Mata Atlântica totalmente preservados. Seus povoados costeiros mais conhecidos são Barra Grande, Saquaíra, Taipus de Fora e Algodões.

Compartilhar: